Quinta, 27 de Janeiro de 2022
23°

Nuvens esparsas

Maringá - PR

Colunista Fátima Rocha

Pandemia da Covid-19: um divisor de águas na educação

No Brasil mesmo antes da pandemia, a educação era relegada a segundo plano.

28/06/2021 às 22h07
Por: Redação
Compartilhe:
Pandemia da Covid-19: um divisor de águas na educação

Que a pandemia da Covid-19 mudou a rotina das pessoas a nível mundial, todos já sabem. O fato é que as consequências trazidas pelo vírus subtraíram dos indivíduos, coisas que foram adquiridas ao longo de uma vida inteira.

Em se tratando da educação pode se dizer com uma grande porcentagem de certeza, que muito se perdeu. No Brasil mesmo antes da pandemia, a educação era relegada a segundo plano. Talvez dizer que seria a segundo plano seja uma forma de amenizar a situação. Com a chegada do coronavírus, a escola passou a ocupar de vez, menos espaço na vida das famílias.

O ensino remoto diferenciou ainda mais os estudantes e fez com que a exclusão marcasse cada vez mais presença. O aumento do abandono escolar que tirava o sono das equipes gestoras, hoje aterroriza, pois distancia as instituições de ensino das metas a serem alcançadas.

A fragilidade dos computadores e dispositivos móveis possuídos por alguns alunos os impede de acompanhar as aulas remotas e realizar as atividades propostas. Dessa forma fica bem claro que  o prejuízo das classes baixas é muito superior ao da classe alta.

Para piorar ainda mais a situação, muitos pais de famílias sofrem com a perda de seus empregos e com a alta exagerada dos produtos de primeira necessidade. Com isso o estudante que está em casa teoricamente sem suas tarefas escolares, entra para o mercado de trabalho para ajudar a sustentar a casa.

Os que desejam acompanhar as aulas online encontram uma única saída: a mudança de turno. Os estudantes trabalhadores precisam sair do turno matutino para o noturno. A escola por sua vez, faz um verdadeiro malabarismo para atender os pedidos de remanejamento, para que  os estudantes não percam o trabalho, que é visto como uma forma de diminuir a sobrecarga financeira,  nesse momento.

As tentativas de retorno aos bancos escolares, por enquanto não tiveram sucesso. Algumas escolas precisaram suspender as aulas presenciais devido ao aumento de contaminação.

Apesar do cenário difícil o pior ainda está por acontecer. Quando as escolas receberem seus alunos de volta, na totalidade, a corrida para recuperar o tempo perdido trará um enorme cansaço. O que fazer com aqueles estudantes cujo nível de ensino é ofertado em um único turno, e estão trabalhando? Qual será a opção da família? O trabalho ou a escola?

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Fátima Rocha
Fátima Rocha
Sobre Fátima Rocha é funcionária pública estadual e trabalha na área da educação há 30 anos. É estudante de jornalismo.
Maringá - PR Atualizado às 05h17 - Fonte: ClimaTempo
23°
Nuvens esparsas

Mín. 22° Máx. 33°

Sex 27°C 18°C
Sáb 25°C 19°C
Dom 23°C 18°C
Seg 25°C 19°C
Ter 31°C 20°C
Horóscopo
Áries
Touro
Gêmeos
Câncer
Leão
Virgem
Libra
Escorpião
Sagitário
Capricórnio
Aquário
Peixes
Enquete
Anúncio